Combinando os Padrões TOGAF e ArchiMate para Suportar a Mudança Digital

postado em 18 de abr de 2018 11:56 por Antonio Plais   [ 18 de abr de 2018 11:59 atualizado‎(s)‎ ]
Originalmente postado por Bernd Ihnen*, no blog da BiZZdesign - Tradução autorizada 

Na primeira postagem desta série, explicamos quão importante é elevar sua capacidade de mudança digital para se tornar uma empresa adaptativa. Também realçamos o papel da comunicação efetiva, bem como abordagens para categorizar e visualizar descrições da arquitetura corporativa com base nos padrões TOGAF e ArchiMate. Também apresentamos orientações sobre como selecionar uma abordagem para a modelagem de Blocos de Construção da Arquitetura e de Solução (ambos são tipos de componentes lógicos e físicos). Para finalizar esta série, discutiremos a conexão com as Soluções Implementadas.

Soluções implementadas

O TOGAF descreve o componente de aplicativo físico como um "componente implementável, por exemplo, uma instância implementada de um ERP" (TOGAF seção 34.5). Como explicado anteriormente, os Blocos de Construção da Arquitetura (ABBs) e de Solução (SBBs) se referem a tipos de objeto. Você pode usá-los para distinguir componentes de aplicativo físicos em tipos como SBBs, e instâncias como Soluções Implementadas. As Soluções Implementadas são interessantes quando estamos documentando soluções existentes, gerenciando-as (por exemplo, em um portfólio de aplicativos) ou reusando esta informação no desenvolvimento da arquitetura. Em termos da sua modelagem usando o ArchiMate, você pode usar os mesmos conceitos de níveis de soluções e soluções implementadas para diferenciar tipos e instâncias. Em geral, é útil adicionar um sufixo ao nome das instâncias como uma convenção de nomeação (por exemplo, "SAP ERP P123"). Se você quer relacionar tipos de solução e instâncias de soluções implementadas, recomendamos usar o relacionamento de especialização do ArchiMate. Desta forma, você pode descrever coisas de um mesmo tipo, mas com parâmetros/configurações diferentes. A figura abaixo mostra como você pode modelar o Continuum Corporativo no ArchiMate usando a primeira abordagem descrita aqui.


Adicionando as camadas de negócio e tecnologia

O Método de Desenvolvimento da Arquitetura (ADM-Architecture Development Method) do TOGAF nomeia fases dedicadas para o desenvolvimento das arquiteturas de negócio e tecnologia. Para efeito didático, o mapeamento acima é baseado na camada de aplicativo, mas você pode transferi-lo também para as camadas de negócio e tecnologia.

Em geral, as instâncias das tecnologias não são de interesse do desenvolvimento da arquitetura corporativa (e.g. Windows versão 20XX número de licença ABCXYZ), de forma que não as modelamos neste contexto. Um possível candidato para modelagem neste nível é um , compondo as diferentes soluções tecnológicas que deveriam ser implementadas em um projeto ou a importação de servidores existentes, por exemplo, em um CMDB. Uma vez que nós usamos o conceito de estrutura ativa interno do ArchiMate componente de aplicativo para o componente de aplicativo físico, esta abordagem usa os conceitos de software de sistema ou de dispositivo (de hardware) para modelar a tecnologia subjacente. O conceito de função também existe na camada de tecnologia, de modo que o mapeamento é direto.

A camada de negócio também pode ser descrita através da mesma abordagem. A arquitetura de negócio geralmente contém processos de negócio para descrever o comportamento atribuído aos departamentos (ou papéis), de forma que nós os incluímos explicitamente junto com as funções de negócio para descrever a camada de negócio. 

Um pequeno esclarecimento em relação ao ArchiMate: ambos, processos e funções de negócio, descrevem comportamento interno de negócio. A diferença é que os processos agrupam o comportamento de acordo com uma ordem específica de atividades, enquanto as funções agrupam o comportamento de acordo com um conjunto de características quaisquer (por exemplo, conhecimento, ou responsabilidade). 

Como você sabe, o termo "função de negócio" é, algumas vezes, também usado para entidades como departamentos, que representam os elementos de estrutura ativa no framework do ArchiMate que realizam os comportamentos (i.e. processos de negócio). Sendo aderentes à especificação do ArchiMate, departamentos são usualmente modelados como atores de negócio, que são correspondentes aos aplicativos físicos, enquanto as funções/processos são correspondentes aos aspectos funcionais/lógicos.

Resumo desta série

O que vocês podem levar desta série de postagens? Na primeira postagem, levantamos a necessidade de se tornar uma empresa adaptativa em um ambiente em rápida mudança e explicamos como a linguagem desempenha um papel crítico na comunicação. Suporte apropriado de ferramenta e metodologia é também um ingrediente importante na digitalização da sua capacidade de mudança. Ao mesmo tempo, a função de arquitetura corporativa fornece uma visão holística dos impactos das transformações estratégicas através das iniciativas de mudança. Quando falando a respeito de estratégia e de projetos de mudança, há também a necessidade de descrever diferentes tipos de arquiteturas. Nós vimos como classificar arquiteturas com base no padrão TOGAF e como visualizá-las usando o padrão ArchiMate. Nós vamos, agora, usar tudo isso que nós apresentamos nesta série para fornecer um exemplo prático do Continuum Corporativo do TOGAF inteiro.

https://sites.google.com/a/centus.com.br/comunidade/arquitetura-corporativa/togaf_archimate_mudancadigital/blog_entertrise%20continuum_003.png?attredirects=0
Exemplo completo da modelagem do Continuum Corporativo (clique para ampliar)

Como você pode ver, arquiteturas de fundação são modeladas principalmente na camada de tecnologia, enquanto as outras arquiteturas mais específicas são usualmente modeladas nas camadas de aplicativo e negócio. Isso faz sentido, uma vez que você, em geral, constrói sua arquitetura de aplicativo em cima de uma fundação/tecnologia que você não desenvolve internamente, mas, ao invés, compra e configura (e.g. MS SQL). O exemplo acima também reflete que o TOGAF e o ArchiMate possuem a habilidade de descrever o negócio e a TI para melhorar o alinhamento para suportar transformações estratégicas.

Esperamos que você tenha gostado de ler esta série, e encontrado utilidade na aplicação do framework ArchiMate ao Continuum Corporativo do TOGAF. Para uma discussão mais profunda, verifique nossa oferta de treinamentos e fique ligado na nossa Biblioteca. Quando tiver a necessidade, entre em contato com a Centus Consultoria para saber mais sobre como o BiZZdesign Enterprise Studio, em conjunto com nossa experiência e serviços pode ajudá-lo a tornar sua empresa uma verdadeira Empresa Adaptativa.





* Bernd Ihnen é Consultor e Instrutor da BiZZdesign, empresa líder em ferramentas para modelagem da arquitetura corporativa, representada no Brasil pela Centus Consultoria.