Combinando o ArchiMate 3.0 com Outros Padrões - Introdução

postado em 15 de jan de 2019 07:59 por Antonio Plais   [ 16 de jan de 2019 08:55 atualizado‎(s)‎ ]
Originalmente postado por Marc Lankhorst*, no blog da BiZZdesign - Tradução autorizada

A linguagem ArchiMate não pretende substituir outros padrões e abordagens de modelagem. Para muitos domínios, existem linguagens e técnicas disponíveis que fornecem descrições mais detalhadas. Tais linguagens, como UML, BPMN e outras, têm um escopo mais estreito (e.g. a UML para especificação de software, o BMN para processos de negócio) do que o ArchiMate, mas lhes falta conceitos para relacionar isso com outros domínios. A Figura 1 mostra isso.


Figura 1: Modelo de arquitetura corporativa conectando outros modelos

É aqui que o ArchiMate adiciona valor. Primeiro, você precisa de uma descrição mais ampla, menos detalhada, para obter uma visão geral da sua empresa, e para ver as dependências entre os diferentes aspectos e áreas, evitando se afogar nos detalhes.

Além disso, como mostrado na Figura 1, existe alguma sobreposição entre o ArchiMate e estas outras técnicas. Por exemplo, o conceito ArchiMate de Componente de Aplicativo é em grande parte idêntico ao conceito de Componente da UML. Isso permite que você conecte os modelos ArchiMate aos modelos para estes domínios individuais, de forma que você possa se aprofundar nas partes específicas da arquitetura corporativa através do mergulho nestes outros modelos.

Isto fornece a você uma descrição integrada da empresa, que relaciona (sub)modelos de domínios anteriormente separados de uma forma significativa (como mostrado na Figura 2 abaixo). Desta forma, você pode analisar e definir as dependências entre os resultados desejados de negócio, os produtos e processos, os sistemas de TI, dados, projetos e programas, e outros aspectos da sua empresa, todos em um único ambiente. Isso é muito importante para a realização da estratégia de negócio: uma linha de visão clara entre todos os elementos da sua empresa, com uma fonte única da verdade (ao invés de silos separados de modelagem), análises eficientes do impacto das decisões gerenciais, e colaboração fácil entre os vários especialistas que trabalham para desenhar e mudar a sua organização.

Figura 2: Ligando um modelo ArchiMate com modelos detalhados para fornecer rastreabilidade

Nas postagens seguintes nós descreveremos como o ArchiMate 3.0 pode ser relacionado com várias linguagens e técnicas específicas existentes. Nós também mostraremos como o BiZZdesign Enterprise Studio suporta isso. A próxima postagem focará na combinação do ArchiMate com técnicas orientadas para a alta gerência, como o Modelo de Motivação de Negócio, Balanced Scorecard e Canvas de Modelo de Negócio. Nas postagens posteriores, discutiremos também a UML, o BPMN, o ERD e outras técnicas.



* Mark Lankhorst é Gerente de Consultoria & Evangelista-Chefe de Tecnologia da BiZZdesign, empresa líder em ferramentas para modelagem da arquitetura corporativa, representada no Brasil pela Centus Consultoria.


eBook A Prática da Arquitetura Corporativa


Para saber mais como a Arquitetura Corporativa pode ajudar a sua organização a vencer os desafios de um mercado cada vez mais exigente, baixe o eBook A Prática da Arquitetura Corporativa, um oferecimento da BiZZdesign e Centus Consultoria.