7 Técnicas Poderosas de Análise (1) - Análise de Impacto

postado em 30 de ago de 2017 05:13 por Antonio Plais   [ 8 de set de 2017 12:50 atualizado‎(s)‎ ]
Originalmente publicado por Marc Lankhorst* no Blog da BiZZdesign - Tradução autorizada

Estrategistas, arquitetos, analistas de processos, desenvolvedores de software, administradores de dados e outros profissionais envolvidos com a mudança organizacional frequentemente empregam esforço substancial na criação dos mais diversos tipos de modelos úteis de seus desenhos. Em muitos casos, tais modelos de negócio, de arquitetura corporativa, de processos de negócio, de software, de dados, e outros, são usados apenas para especificar algum desenho, i.e., para descrever o que deveria ser construído. Mas há muito mais valor a ser tirado destes modelos, através do uso de técnicas poderosas de análise para criar novas percepções. Nas próximas postagens, cobrirei sete destas técnicas, mostrando como o Enterprise Studio as suporta, e discutindo os resultados de negócio que você pode suportar desta forma.

7 técnicas de análise poderosas para criar valor de negócio

  1. Análise de Impacto, que atravesse a estrutura de seus modelos para avaliar, por exemplo, a importância de negócio dos aplicativos, a contribuição das iniciativas de mudança para as metas estratégicas, ou os efeitos corporativos das mudanças.
  2. Análises de Dependências, que exploram a coerência entre os elementos da arquitetura. Quais são os elementos críticos da sua arquitetura, onde você corre riscos, quais são os gargalos.
  3. Análises de Processos, que olham para a eficiência de seus processos de negócio. Quais são os caminhos críticos nos seus processos e como você pode melhorar a produtividade?
  4. Análises do Ciclo de Vida, para endereçar a evolução de sua empresa ao longo do tempo. Como você pode planejar as iniciativas de mudança a controlar o ciclo de vida dos elementos no seu panorama da arquitetura, considerando as dependências entre, por exemplo, os diferentes projetos, os processos e sistemas que eles realizam ou mudam, e os resultados de negócio desejados?
  5. Análise do Valor de Negócio e Valor Técnico, para o gerenciamento do portfólio de aplicativos. Quão importante é um aplicativo para sua organização, e quão bem ele realiza o seu trabalho?
  6. Análises Financeiras, e.g., sobre cálculos do custo dos aplicativos ou gerenciamento de portfólio de projetos. Onde sua organização gasta o dinheiro, e quão alinhado este gasto está com as suas metas de negócio?
  7. Análises de conformidade, segurança e risco, por exemplo, no contexto de conformidade regulatória, privacidade e segurança cibernética.
Naturalmente, você pode usar estás técnicas em combinação, e também mostraremos exemplos disto.

Fornecer informação focada no negócio a respeito da saúde do seu panorama de TI com Análise de Impacto

Para iniciar esta série, vamos começar com um dos tipos mais comuns de análise: a análise de impacto. O Enterprise Studio apóia você a percorrer os relacionamentos dentro dos seus modelos de uma maneira bem fácil de usar: simplesmente caminhe através do Navegador de um elemento para outro, possivelmente através de múltiplos relacionamentos e mesmo diferentes tipos de modelos interconectados. Quando você chega ao elemento que você está procurando, use o menu de contexto para selecionar, por exemplo, uma visão de Cores ou de Etiquetas.

Como um exemplo, veja a tela abaixo. Aqui, navegamos de uma capacidade para os aplicativos subjacentes, através dos processos e funções de negócio que existem entre eles. A visão de cores resultante mostra como as capacidades da empresa dependem do suporte destes aplicativos. Isto pode ser usado para encontrar quais capacidades dependem de quais aplicativos, para ver onde a substituição de um aplicativo pode impactar. Naturalmente, ao criar estes tipos de análises você presta atenção aos diferentes tipos de relacionamento pelos quais você caminha. Também aqui a força do ArchiMate e de outras linguagens de modelagem aparece: por causa do significado específico dos diferentes tipos de relacionamento, você pode realizar estas análises em um nível que seria completamente impossível quando você cria figuras com caixas e linhas simples, como, por exemplo, no PowerPoint.


Este tipo de análise pode facilmente ser estendido para endereçar questões mais avançadas. Primeiro, note que quando você cria uma visão de cores, ela aparece como um ponto de vista não salvo no navegador de pontos de vista (aqui, no canto inferior esquerdo da tela). Isto é, na realidade, um script escrito na linguagem de scripting do Enterprise Studio, e que pode ser editado e aumentado de várias formas, e salvo como parte do seu modelo. Com estes scripts, você pode explorar as semânticas das linguagens de modelagem suportadas pelo Enterprise Studio na sua totalidade.

Varias análises como estas, e outras, podem ser combinadas através de métricas multi-nível que fornecem informações focadas no negócio sobre a constituição e a saúde do seu panorama de TI. Isto é útil para o gerenciamento de portfólios de projetos e aplicativos, e para o planejamento e priorização de mudanças de requisitos. Mais à frente, nesta série, mostraremos o uso de análises no gerenciamento de portfólios com mais detalhes.

Naturalmente, existe muitas outras formas de usar este tipo de análise. Compartilhe conosco como você está usando isso, e fique ligado nas próximas postagens desta série!



* Mark Lankhorst é Gerente de Consultoria & Evangelista-Chefe de Tecnologia da BiZZdesign, empresa líder em ferramentas para modelagem da arquitetura corporativa, representada no Brasil pela Centus Consultoria.


 Webinar de Introdução - Enterprise Studio

Junte-se a nós neste webinar de 45 minutos para aprender como arquitetos, analistas e gerentes de TI podem minimizar o tempo de modelagem e planejamento, e entregar resultados mais rápidos. Desenhe, gerencie e compartilhe as análises e informações necessárias para fortalecer a mudança nos negócios com:
  • Uma plataforma integrada
  • Suporte para colaboração
  • Analíticos e painéis de controle poderosos
  • Uso de padrões abertos
Dia 14 de setembro, 2017, às 13:00hs (BRT)
Inscreva-se aqui